Posição Política de Jornais e Apoio à Candidaturas


Por: Ricardo Schmidt

==


Hoje em dia se fala muito sobre o posicionamento de jornais sobre a política, além das notícias políticas que publicam. Recentemente também certos setores da sociedade chamam a grande mídia ou de esquerda, ou de direita, ou "mídia golpista" ou "mídia globalista capitalista", e etc.

Essa questão acontece menos em certos países do que no Brasil, principalmente em países anglófonos, onde há uma tradição de jornais apoiarem certos candidatos a presidente ou primeiro-ministro. No Brasil muitos jornais falam de política, mas não se posicionam no sentido de apoiar explicitamente candidaturas ou partidos, o que faz com que um mesmo jornal seja acusado de ser de direita, esquerda, ou tudo mais ao mesmo tempo.

Vale lembrar que como dito anteriormente, as definições de "esquerda" ou "direita" são muito complexas e vão variar de contexto. Definitivamente não são termos fixos e bem definidos, são variáveis de momento, época e local. Antigamente era comum (grandes) jornais se definirem como republicanos, monarquistas, socialistas, e assim por diante. Hoje em dia eles existem, claramente, mas uma mídia mais "isenta" se tornou mais comum. Não se pode esperar um mesmo posicionamento sobre tudo entre um jornal pertencente a um governo, e assim a serviço de propaganda/informação dele, e um jornal privado onde o dono possa ter a opinião mais divergente possível de tal governo. 



Bom, mas nesse post trazemos certos jornais internacionais ou pela posição política predominante ou pelo apoio de certas candidaturas. No caso, são grandes jornais de alcance nacional em seus países:

Notas:

  • Jornais/Revistas por ordem de vendagem
  • Candidatos/partidos/posições mais à esquerda em vermelho, direita em azul
  • As definições de esquerda/direita são em relação à realidade do país, variando de lugar para lugar



Estados Unidos (Eleições 2016)

JORNAIS
  • USA Today - Sem Apoio Aberto (Recomendou Não Votar em Trump)
  • The Wall Street Journal - Sem Apoio Aberto
  • The New York Times  - Hillary Clinton
  • Los Angeles Times - Hillary Clinton
  • Houston Chronicle - Hillary Clinton
REVISTAS
  • Vogue - Hillary Clinton
  • The New Yorker - Hillary Clinton
  • Wired - Hillary Clinton
  • Latina - Hillary Clinton
  • The Atlantic - Hillary Clinton

Reino Unido (Eleições 2017)
  • The Sun - Partido Conservador
  • Metro - Partido Conservador
  • Daily Mail - Partido Conservador
  • London Evening Standard - Partido Conservador
  • Daily Mirror - Partido Trabalhista

França
  • Le Parisien - Neutro
  • Le Figaro - Direita/Liberal
  • Le Monde - Centro-esquerda
  • L'Opinion - Direita
  • Libération - Centro-esquerda

Alemanha
  • Süddeutsche Zeitung - Centro-esquerda
  • Frankfurter Allgemeine Zeitung - Centro-direita/liberal
  • Die Welt - Centro-direita/liberal
  • Handelsblatt - Liberal
  • Der Tagesspiegel - Liberal

Canada
  • Toronto Star - Centro-esquerda
  • The Globe and Mail - Centro-direita
  • Le Journal de Montréal - Centro-direita
  • Le Journal de Québec - Centro-direita
  • Toronto Sun - Centro-direita

A Questão Brasileira

Para fazermos uma análise de posicionamentos dos veículos de mídia brasileiros, como dito anteriormente, a questão é mais complicada. Para isso, vou me ater aos três maiores jornais brasileiros; A Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo e O Globo. 

Para isso, trouxe em síntese os princípios editoriais de cada jornal.

  • A Folha de São Paulo


"Princípios editoriais do Grupo Folha (independência, espírito crítico, pluralismo e apartidarismo),..[..] que contribua para o aprimoramento da democracia e para a conscientização da cidadania."

Princípios e valores
- Independência econômica e editorial
- Compromisso com o leitor
- Ética
- Defesa da liberdade de expressão
- Defesa da livre iniciativa
- Pioneirismo
- Respeito à diversidade


  • O Estado de São Paulo


"Defende o sistema democrático de governo, a livre iniciativa, a economia de mercado e um Estado comprometido com um país economicamente forte e socialmente justo."

"Sente-se responsável pela promoção do desenvolvimento humano, político, econômico, social e cultural do Brasil, dando coesão à sociedade civil."

"Garante aos setores minoritários a manifestação de suas opiniões e condena editorialmente todo estereótipo racial, religioso, étnico e sexual."

"Direitos e as liberdades individuais, o pluralismo democrático e a identidade sócio-cultural do Brasil e de São Paulo."

"Defende a prioridade do Direito sobre a força e a prioridade da ordem social sobre a anarquia em quaisquer de suas manifestações."

"Defenderá os cidadãos das agressões de qualquer forma de poder e estimulará a livre iniciativa em todos os âmbitos da atividade humana."


  • O Globo


"O Grupo Globo será sempre independente, apartidário, laico e praticará um jornalismo que busque a isenção, a correção e a agilidade, como estabelecido aqui de forma minuciosa. Não será, portanto, nem a favor nem contra governos, igrejas, clubes, grupos econômicos, partidos. Mas defenderá intransigentemente o respeito a valores sem os quais uma sociedade não pode se desenvolver plenamente: a democracia, as liberdades individuais, a livre iniciativa, os direitos humanos, a república, o avanço da ciência e a preservação da natureza."

---

Visão final: Bom, todos defendem alguns valorem em comum, como a livre iniciativa, a democracia, ética e respeito às diversidades humanas em geral. A classificação pelos princípios é complicada. De forma geral, muitos associam A Folha de São Paulo como uma "centro-esquerda", O Estado de São Paulo mais como um "centro" e "O Globo" com uma posição mais "centro-direita". Essa classificação é complicada e nebulosa. No final, até mesmo os leitores ficam perdidos e não sabem ao certo definir. 

Porém, um modo de avaliar pode ser pelos seus contribuintes de opinião. Um exemplo seria a revista "CartaCapital", onde há como colunistas Jean Wyllys, Guilherme Boulos e Tico Santa Cruz. Outro seria VEJA, com colunistas como Ricardo Noblat, Augusto Nunes, Lillian Witte Fibe e anteriormente Reinaldo Azevedo. 

Os jornais, principalmente esses três, possuem uma vastidão de colunistas e blogs, e entre eles há diferentes posições. Cabe ao leitor verificar a equipe de cada jornal e seus posicionamentos.