Informalidade de Bolsonaro marca nova estética de poder



RIO — A eleição de Jair Bolsonaro para a Presidência inaugurou uma nova estética no cargo mais importante do país. A formalidade do presidente Michel Temer dá lugar a cenas como o presidente eleito fazendo o pronunciamento da vitória com uma bandeira do Brasil, ao fundo, presa na parede com “silver tape”— uma fita adesiva de cor cinza.

Na última quinta-feira, Bolsonaro convocou uma coletiva de imprensa em casa, na praia da Barra, na qual os microfones das emissoras de televisão ficaram apoiados em uma prancha de bodyboard verde e azul, improvisada sobre duas mesas de vidro. Na manhã de ontem o capitão da reserva apareceu cortando o cabelo em um salão em Bento Ribeiro, na Zona Norte do Rio. E, no dia anterior, ele havia divulgado uma foto também cortando o cabelo, de chinelo, na garagem de sua casa.



Essa informalidade já teve espaço no governo Luiz Inácio Lula da Silva. O petista foi fotografado, por exemplo, com um isopor na cabeça ao sair da praia, na Base Naval de Aratu, em Salvador, em 2010.

Além da quebra de protocolo, os hábitos de Bolsonaro à mesa também surpreenderam.Na véspera do segundo turno, o Jornal Nacional exibiu reportagem sobre a última semana de campanha do então candidato do PSL, na qual ele apareceu espremendo uma caixinha de leite condensado sobre um pão francês, sem prato.

— Aqui não tem esse negócio de açúcar, não, rapaz, gordura, dieta — disse ele, na ocasião.

Para o cientista político Antonio Lavareda, são sinais que geram identificação com a maior parte do eleitorado:

— Esse tipo de imagem o aproxima do eleitor médio brasileiro. Esses comportamentos simples, como aparecer cortando o cabelo, têm tudo a ver com a maioria da população. Somos uma sociedade pobre, de baixa renda e com gostos adequados a esse padrão de renda e escolaridade.
Ao longo da campanha, Bolsonaro apareceu várias vezes na cozinha, com a pia cheia de louça suja e apoiando o pão na mesa, também sem prato nem toalha.

No discurso, saem as mesóclises empoladas de Temer e entram os já folclóricos “isso aí”, para se referir a diferentes temas, e o “tá ok?”. A plataforma de comunicação também mudou. Bolsonaro tem investido na comunicação direta com o eleitor, por meio das redes sociais.

Publicado originalmente em O Globo.